BPI Capacitar - page 1

Publicidade
Um lar
solidário
Transformar duas moradias abandonadas num lar residencial
para pessoas com deficiência é uma ambição antiga
da Associação de Paralisia Cerebral de Odemira.
O Prémio BPI Capacitar vai permitir realizar o projeto
É
umsonho antigo da Associação de Pa-
ralisia Cerebral de Odemira (APCO).
Criar umlar residencial de acolhimen-
to e apoio a jovens comdeficiência é o
projeto que temanimado os responsá-
veis e os voluntários desta associação
do litoral alentejano. Criada em 2001,
a APCO é uma Instituição Particular de Solidariedade So-
cial que já dinamiza todos os dias umCentro de Atividades
Ocupacionais que serve perto de 20 jovens da região. Ou-
tros serviços prestados pelos técnicos da associação são o
apoio domiciliário a pessoas com deficiência grave, o tra-
balho de intervenção precoce junto de bebés e crianças até
aos 6 anos, no âmbito da educação, saúde e ação social, e o
Centro Recursos de Inclusão, uma valência de apoio tera-
pêutico e psicossocial a crianças e jovens estudantes com
necessidades educativas especiais.
“Toda a gente contribui diariamente para que se desen-
volvamaqui muitos projetos”,
aponta comorgulho a pre-
sidente da Direção da APCO, Manuela Forte. E porque este
é um trabalho que se faz melhor em parceria, a associa-
ção tem vindo a envolver a comunidade local em projetos
de integração de jovens com deficiência. No âmbito deste
trabalho, algumas dezenas de utentes das valências da AP-
CO têm vindo a trabalhar em empresas do concelho, onde
desempenhamdesde pequenas tarefas administrativas até
àmontagemde caixotes, no caso de uma empresa hortíco-
la de Odemira. São exemplos do esforço feito para dar um
sentido de orgulho e de participação às pessoas que a as-
sociação se dedica a ajudar.
Mas há uma valência que continua a fazer falta, apontaMa-
nuela Forte. AAPCOquer criar umLar Residencial que per-
mita acolher, de forma temporária ou permanente, pessoas
comdeficiência que não tenhamcondições para permane-
cer no seumeio familiar. A ideia é antiga: transformar duas
velhas moradias abandonadas num lar com todas as con-
dições de conforto e apoio aos utentes. O projeto contem-
pla a recuperação e ampliação das duas casas geminadas
no centro de Odemira. O projeto, orçado em cerca de um
milhão de euros, tem estado no centro de uma campanha
de recolha de fundos que temrecolhido donativos umpou-
co por todo o concelho – e mais além. É um sonho antigo
que, com a vitória no Prémio BPI Capacitar, vai finalmen-
te ver a luz do dia. As obras deverão arrancar já em 2012 e
ficarão concluídas um ano depois. Nessa altura, 24 utentes
terão acesso a um lar, no centro da vila, onde poderão viver
de formamais autónoma e feliz. Onovo equipamento per-
mitirá também reforçar a capacidade do Serviço de Apoio
Domiciliário, expandindo-o a mais pessoas.
“Apossibilidade de termos uma resposta na qual consegui-
mos alojar pessoas comdeficiência permitirá tambémfazer
todo um novo trabalho com essas pessoas, de reabilitação,
de habilitação, de inclusão na comunidade”, antecipa Ma-
nuela Forte. “Será muito mais do que ummero alojamen-
to. Será umamaneira de complementar o desenvolvimento
dessas pessoas e a sua integração na sociedade”. Para que
isso aconteça, o empurrão dado pelo BPI Capacitar foi de-
cisivo.
“A importância deste prémio é fundamental. Com
ele podemos colmatar algumas das necessidades de finan-
ciamento para a conclusão do projeto”,
aponta a presidente
da Direção. “Mas é também um prémio que nos dá a cer-
teza de que estamos a fazer o caminho certo na qualidade
dos serviços prestados”. Para a APCO – e para as dezenas
de pessoas com paralisia cerebral apoiadas diariamente
pela associação – não podia haver melhor prenda pelo dé-
cimo aniversário.
Centro Social e Paroquial de Ribeirão é
uma força solidária no concelho de Fa-
malicão há 20 anos. Todos os dias, os téc-
nicos do Centro dinamizam um conjunto
enorme de valências sociais que foi cres-
cendo ao longo dos anos - da creche e jardim de infância
aos centros de atividades de tempos livres para miúdos
do 1.º e 2.º ciclos do ensino básico. Mais recentemente
nasceu o centro de dia para idosos e o lar e serviço de
apoio domiciliário.
A população que continuava sem resposta era a das
pessoas com deficiência. “Esta zona tem algumas carên-
cias nesta área social”, explica o vice-presidente do Centro
Social e Paroquial de Ribeirão, José Rui Costa. Daí nasceu
a vontade de criar um novo edifício, cuja obra está agora
a arrancar, para 22 residentes, complementado por um
Centro de Atividades Ocupacionais para 30 utentes e um
serviço de apoio domiciliário que chegará a perto de 20
pessoas com deficiência. São mais de 70 beneficiários ao
todo, num projeto estimado em mais de dois milhões de
euros e que deverá criar, quando abrir no final de 2013,
um total de 35 novos postos de trabalho.
A carta social do concelho de Vila Nova de Famalicão
já identificava a carência de respostas ao nível do apoio
à deficiência. São situações que os assistentes sociais do
Centro Social e Paroquial de Ribeirão conhecem bem,
mas às quais, até agora, vinha sendo impossível dar uma
resposta cabal. É precisamente isso que vai mudar com a
Alargar a inclusão
NOVAMORADA
Onovo lar da APCO
vai permitir integrar
os jovens com
deficiência
do litorial
alentejano
CRESCERCOMINCLUSÃO
A nova valência do Centro Social e Paroquial
de Ribeirão vai dar resposta às pessoas comdeficiência
O Centro Social e Paroquial de Ribeirão já presta serviços de apoio a crianças e idosos
do concelho de Famalicão. Agora, o Prémio BPI Capacitar vai permitir
estender o apoio às pessoas com deficiência
O
construção deste novo edifício, que acrescentará ao com-
plexo do Centro uma nova valência. O objetivo é reunir
respostas diferenciadas no mesmo espaço, promovendo
o convívio entre gerações e populações com necessida-
des diferentes.
uma nova oferta
O novo projeto, batizado “Crescer com Inclusão”, vem
melhorar a qualidade de vida das pessoas com deficiência
e incapacidade no concelho de Famalicão. O foco está na
reabilitação dos utentes, desenvolvendo o seu potencial
e promovendo a sua qualificação pessoal e profissional.
Além das valências residencial e ocupacional, o novo lar
vai desenvolver projetos de inserção dos utentes no mer-
cado de trabalho.
A construção do novo edifício conta já com apoios mu-
nicipais e da Segurança Social, mas a viabilização da obra
exige uma componente de fundos próprios que não é fá-
cil de recolher – razão pela qual o Prémio BPI Capacitar
faz a diferença.
“Este prémio torna-se muito útil e im-
portante para nós”,
diz o vice-presidente do Centro So-
cial e Paroquial. “Neste tempo de crise e de dificuldades,
em que o apoio dos paroquianos se torna mais difícil, é
muito importante que as entidades que têm possibilida-
des e que também se preocupam com as questões sociais
possam apoiar quem está no terreno.”
uMprémio
paraa inclusão
O Prémio BPI Capacitar é um dos maiores fundos
privados de apoio a projetos de integração social
no nosso país. No valor global de 500 mil euros,
o prémio, criado em 2010, financia iniciativas da
sociedade civil que promovam a integração social
e a melhoria da qualidade de vida de pessoas com
deficiência ou incapacidade permanente. A qualidade
técnica de cada projeto, a sua sustentabilidade e o
seu impacto na promoção da qualidade de vida dos
beneficiários são os critérios fundamentais para a
atribuição do Prémio. O júri procura projetos sólidos,
inovadores e que possam ser replicados por outras
organizações, pelo país fora. Este ano, o BPI Capacitar
analisou perto de três centenas de propostas,
atribuindo dois primeiros prémios, ex aequo, e nove
menções honrosas.
vencedores
1 2,3
Powered by FlippingBook